Quem somos

Minha foto

Somos duas pessoas que através de uma linda jornada dentro do eu, fruto de um trabalho terapeutico maravilhoso ficamos encantadas com as próprias descobertas, resultados e cura, esse conjunto de coisas aconteceu como consequência de uma conexão honesta, sólida e humana entre terapeuta e paciente. Diante de tantas alegrias e descobertas fomos movidas a por um sentimento de comprometimento pelo próximo, que nos levou a criar este blog, para que vocês usufruam e apliquem em suas vidas (se lhes for útil) nossas metáforas, imagens e meditações. Aproveitem!
Com carinho,
Clarissa e Keli

domingo, 9 de junho de 2013

RECADINHO

Primeiramente gostariamos de agradecer todas as pessoas, que tem acessado nosso blog e dizer que somos gratas  e ficariamos alegres, com a sua participação em comentários e sugestões.
Convém lembrar, que as meditações que fizeram florescer esses insights e metaforas estão anexados acima, para quem quiser escutar, assistir e praticar.
sucesso a todos!

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Amor e medo


Antes escolhia relacionamentos pensando, este é gentil, este é bonito, este é sofisticado, este sabe cozinhar, esse é aventureiro, esse supre minhas carências, hoje escolho relacionamentos baseada somente no que sinto. O relacionamento pode parecer louco, pode não ter sentido, pode ser “fora da lei”, mas sigo o que meu coração diz:- e este diz a cada batida, que bom sentir isso, então vou atrás. Da mesma forma, se meu coração diz: não siga, eu mudo o rumo.

Solto os sentimentos, me envolvo e delicio com eles, sinto eles no meu coração e aceito. Perdi o medo de sentir ou a necessidade de prevenir o que pode dar errado.

Alguém disse: “nem sempre apostamos para ganhar” e no amor é assim, também na vida.

Se eu perder a aposta, meu coração os invés de celebrar, vai doer; mas não vai parar de bater.

E a minha dor, assim como minha alegria, vai me mostrar que no meu caminho eu fui fiel comigo mesma. Fiel, a meus sentimentos, minhas emoções e minha vida, a vida que Deus me proporcionou. A vida é isso! É amar, parar de amar, sofrer, amar de novo, sorrir!

Quero surfar nas ondas dos meus sentimentos e mergulhar bem fundo se cair, mas quero poder dizer, que sei qual é a sensação, ou melhor que tive a sensação de deslizar em uma onda de 30 metros, por exemplo. Isso é incrível! não tem preço!!!!!

Não quero mais guiar minha vida pelos meus medos e sim pelas emoções que me fazem bem. Respeitar meu coração e desfrutar das coisas boas que Deus me dá, mesmo que elas não durem para sempre. Alias, não é por que as coisas não duram eternamente, que não são verdadeiras, não é mesmo?

A alegria de criança acaba! Um pai amoroso morre! Comer um morango delicioso acaba! A emoção de uma montanha russa acaba! A melhor transa da vida acaba! É tudo real!

O que não acaba é a lição que fica com o que passou, com tudo o que Deus nos dá, aprender, aprender, aprender....olhar para o passado e se orgulhar de ter sido honesto comigo mesma, não acaba...NUNCA.

É isso!!! Ter a certeza que podes contar contigo mesma, apesar do que possa acontecer, não acaba nunca!

Se eu pudesse dizer algo de valor a alguém, eu diria: presenteie-se com sua vida, com cada momento de sua vida e com o melhor que você pode ser diante dela!

A cada momento. A cada alegria. A cada dor. A cada traição. A cada lição. A cada beijo.  A cada sentimento. A cada segundo e só! 

A costureira.

Sempre achei que a vida fosse uma colcha de retalhos, pequenos momentos felizes que faziam um lindo trabalho manual.

Uma colcha que aquecia corações e desenhava lembranças, mas precisava achar um SENTIDO maior para essa colcha,algo fundamental para a colcha.

O que os retalhos precisam?

São as costuras!!

As costuras unem os panos, os pequenos trapinhos de felicidade, é o que dá forma ao lindo trabalho, que enche nossos olhos e realmente nos aquece.

Eu estava meio perdida entre trapinhos quando encontrei uma costureira, que me ajudou a emendar os paninhos e construir a colcha da minha vida, onde todas as cores e formas fazem sentido.

Keli, se você não tivesse costurado a colcha, os retalhos da minha vida, acho que nada, faria completo sentido, você emendou meus trapinhos de felicidade e até os de infelicidade para que realmente a colcha tivesse consistência para aquecer os momentos mais frios do ano! Deus preparou esse momento, tenho certeza!

Eu desejo que todos achem uma ótima costureira, como você em suas vidas....


Clarissa,

A costureira se deu conta que tinha a sua frente uma outra costureira de alta costura!

Abraços

Keli

domingo, 24 de março de 2013

SER LIVRE!


Agora entendo o que é ser livre. Entendo realmente. Eu sei o que é ser livre!
Todo mundo tem um “conceitinho pronto” de liberdade, eu também tinha. Todo mundo tem a ânsia de dizer que é livre, se sentir livre ou de fazer o que quiser a hora que quiser sem respeitar ninguém, achando que isso as faria sentir ou ser livres. Ter liberdade poderia ser algo como: correr pelada pela casa quem sabe...ou fora dela... trabalhar só quando se tem vontade, botar tudo a perder e contar apenas com a sorte, vestir calça amarela e blusa vermelha de bolinhas brancas e não se sentir como um palhaço, só por não querer escolher as roupas que combinam com o padrão atual da moda pois, naquele dia que você acordou emburrada.
Mas agora vou te dar um susto com minha declaração: - não quero nada disso! Por que agora entendo realmente, que ser livre não é fazer as coisas idiotamente, é simplesmente aprender que não controlamos as coisas, não controlamos a moda, o tempo, a decisão do prefeito, o resultado da partida de futebol, o paredão do BBB ou mesmo entender que não se pode saber exatamente, se depois de viajarmos horas e horas para passar um fim de semana, depois de um ano de trabalho intenso, se chegando lá na praia se vamos ter sol ou se vai chover.
Todos esperamos que ao chegar na praia possamos usufruir do sol, mas é uma decisão que nós temos o poder de tomar, não ser infeliz por causa disso.
A liberdade é reconhecer humildemente que tem alguém no CONTROLE de TUDO e que podemos nos divertir administrando como vamos gastar nosso tempo da melhor forma possível.
Ser livre é não ter que controlar! É viver cada momento. É ser feliz se o final de semana na praia for de chuva ou sol, se nosso time ganhou ou perdeu, não estou falando de conformismo ou de falta de objetivos, simplesmente é o fato de nos sentirmos bem dentro da gente mesmo independente da circunstância. É também ter maturidade para lidar com tudo isso sem se achar a vítima da situação, a coitadinha que não pode aproveitar por que não teve o sol que queria ou que não está feliz, pois o eliminado do BBB não foi aquele que gostaria que fosse.
É lidar sabiamente com as adversidades da vida. Encontrar um modo alegre de viver, sem se estar preso a uma condição ou fator específico. Temos que lutar pelos bons momentos de nossas vidas e não desperdiçar com bobagens, não podemos mais viver nessa ilusão de que a vida vai ser exatamente como sonhamos. E é nesse momento que damos lugar ao efeito surpresa, que é tão prazeroso, começamos a então a perceber que Deus presenteia a gente.
Por exemplo, se no fim de semana de chuva na praia não vamos ao mar podemos ficar no hotel ou caminhar pelas ruas e estamos expostos a varias outras oportunidades que não existiriam sem a chuva, por exemplo provar um prato diferente e se deliciar horas em um restaurante, fazer novas amizades...  Pode ser também que perdemos o almejado e planejado encontro amoroso, mas devido a isso, temos horas de conversa profunda construtiva com uma amiga.  Entregar meus momentos ao mal humor, ao sentimento de fracasso ou ao sentimento de “pobre de mim” são passado na minha vida, ninguém mais coordena meus momentos, minhas atitudes ou meu humor e sou muito mais feliz assim, gerente dos meus sentimentos dentro do meu mundo e não gerente do mundo inteiro!

Clarissa,

Podemos ter certeza de que estamos realmente bem, donas de nosso próprio castelo, não quando as coisas estão funcionando, mas quando as coisas não funcionam e mesmo assim conseguimos criar felicidade, aproveitar o momento. Minha alegria é sem tamanho quando percebo que você conquistou a si mesma, tem autodomínio e administra as emoções com consciência. Me sinto honrada de acompanha-la neste caminho tao lindo, neste seu caminho com coração.

Um grande abraço querida!
Keli

De joelhos ou em pé


Agora entendo que nem sempre que se está de joelhos temos um coração entregue a Deus.
Um dia eu resolvi fazer uma meditação, que se chamava:- A bolha dos desejos.

Eu queria que Deus entendesse o que eu queria, eu achava que Ele não estava entendendo certo, por isso, não respondia.

Então comecei a fazer a meditação e quis imaginar o rosto de Jesus, então a meditação foi acontecendo, mas o que veio até mim foi uma visão, que ao terminar, enviei um e mail para a Keli, precisava mesmo compartilhar isso com alguém. 

Keli,

Eu estava dentro de um círculo  e todos as pessoas que admiro no céu estavam ao meu redor (Jesus, Madalena, Maria, Pedro e todos os apóstolos) e eu estava ajoelhada e eles começaram a...não sei bem...se orar ou me abençoar ou exorcizar....mas houve uma limpeza e eu queria ficar ajoelhada, mas a visão começou a me mostrar que eu estava em pé, enquanto eu tentava ficar de joelhos Jesus tentava me levantar e é como se eu tivesse pernas fracas, eu insistia em estar de joelhos, e eu recebi muitas mensagens:

Uma que eu iria ser erguida...não sei o que quer dizer... no meio deles e acolhida, conclui: eles me levantaram. ( é como se eles tivessem me levantado, não eu por conta própria),e durante este momento enxerguei duas vezes uma luz branca que clareou meus olhos quando eles estavam fechados, um clarão como se tivesse sol do meio dia e eu não sei o que eu estava sentindo durante aquilo tudo, acho que medo, não sei...( Keli, enquanto eu escrevo as lagrimas correm...não sei se consigo expressar...mas não estou chorando) e senti que algo ia ser realizado em mim, depois eu falei do meu desejo particular, com medo de ser rejeitada essa minha idéia, então comecei a defender com toda força meus desejos e disse: - Deus, tu disse que em  2 tem melhor paga o nosso trabalho, que fomos feitos para termos alguém, e eu pedi se esta felicidade não era destinada a mim nesse mundo, tudo bem, mas eu preciso de alguém do meu lado então veio algo forte: algo que me impede de amar e ser amada: o orgulho e o egoísmo, na verdade não quero dividir nem meu tempo nem nada....tenho medo de dividir, de faltar, preciso aprender e aceitar a dividir e abrir meu coração.e eu olhei para Maria e Madalena e disse para elas: -até vocês que eram ungidas, foi importante um companheiro, para que vocês realizassem as suas missões,por favor entendam... e senti uma resposta: aceita que tu precisa de alguém. ( engraçado? Eu queria isso e não aceitava? Como?). Então, Madalena colocou a mão na minha cabeça e disse: eu abençoo teu desejo, depois Maria colocou a mão e depois todos e no final eu coloquei meus desejos numa bolha e entreguei a eles e eles fizeram tipo watsu com a minha bolha, e beijavam e davam amor para minha bolha, beijo carinho ....e esmagavam e ela fluía e não se desmanchava... Como um balão cheio de água sabe? E eu fiquei feliz, feliz me senti tão amada, amada, amada e meio assustada, por tudo ser tão real. Mas com desejo de não ficar assustada, de aceitar.... e a sensação de que tenho coisas a trabalhar dentro de mim¨.

Hoje, depois de mais ou menos 6 meses, depois dessa visão, eu entendo ela completamente, depois de um fim de semana onde consegui ter paz no meio da tempestade, percebi o que é estar em pé, eu tive uma semana turbulenta, onde estava exercitando esta frase: -“não tenho o que me preocupar, se tenho um PAI que me guia pela mão”, então conversamos na terapia, sobre umas indignações que tinha, sobre vencer o ego o orgulho, sobre o que era fé, sobre confiar e concluímos que  ainda tinha medo de me frustrar com Deus, que Ele me abandonasse a qualquer momento...decidi abandonar este sentimento...

Fui levada a um fim de semana turbulento onde foram colocados em prova muitos dos meus aprendizados e eu fui superando cada um deles, as coisas ruins não me atingiam, as adversidades do clima ou das pessoas, então eu fui a cada segundo tomando posse, me apropriando dos frutos do árduo trabalho interno que me propus nestes últimos meses.

Então,tenho que te dizer : -Keli, eu estou de pé! Eu me sinto em pé, lembra da visão que tive? E no mesmo momento ela me encorajou a escrever sobre isso, ela falou que lembrava perfeitamente da visão, e que precisávamos compartilhar isso.

Hoje percebo claramente que ao fazer o meu pedido a Deus naquele momento (na visão) estava indignada, perdida e arrogante achando que eu poderia controlar Deus...agora vejo o significado de cada parte desta visão, o fato de estar em pé significa erguer-se no espírito, sentir-se uma com Deus, poder estar ao lado de Deus como sua filha, amiga e querida, a sua criação.  Depois de vencer obstáculos, sentir-me livre, manter a paciência, dividir meus momentos com alguém, não deixar me abalar pelas circunstancias e como você diz :- “estar no meu lugar de paz”, posso me sentir em pé.

Agora eu me sinto em pé! Apropriei-me do direito de filha de Deus que Madalena abençoou e sei que Deus entende nossos desejos e os cuida com amor, não precisamos nos preocupar, pois da maneira como nossos desejos acontecerem, não importa, Deus é que está cuidando deles. E somos uma com Deus, Este NUNCA poderá nos abandonar, ele nos quer de pé!

Entreguei totalmente o controle da minha vida e destino a Ele e sabe o que tem que ser feito com tudo isso, num estado de total liberdade, isso faz eu me sentir de pé!

Clarissa,

Você está de pé e recebe meu abraço e meu sorriso largo!

Keli

quarta-feira, 6 de março de 2013

Freio de mao puxado


Quem nunca andou com o freio de mão puxado? 
Devo confessar que eu já! 
Quer saber por que essa metáfora veio à tona? 
Por que enfrentei esta semana, a angustia de perceber que tudo está caminhando na minha vida, eu vejo que as coisas estão indo pra frente, mas não consigo efetivamente realizar aquilo que me propus. 
É a mesma sensação que estar andando com o freio de mão puxado. O carro anda, ele vai pra frente, mas em algum semáforo que você parar você vai sentir algo pesado para poder seguir e aí percebe que algo não está fluido como deveria, então você percebe que não soltou o freio de mão. 

O que seria o freio de mão? 
Está é uma pergunta que me fiz. 
Qual o freio de mão da minha vida?  
A resposta veio não sei como, mas sei, que o freio, são os “NÃOS” do meu coração, as coisas que eu quero mas não permito que aconteçam. Por quê? Para que o ego (velho conhecido) permaneça no controle, dizendo: “-Viu?! Você não pode soltar as rédeas, você perde o controle e ainda assim as coisas não se manifestam”....e você encarna mais uma vez o papel de vítima da situação, de coitadinha, que artimanha do ego, hein?!

Agora porém, vou simplesmente soltar o freio de mão, mandar embora a garotinha mimada e continuar guiando meu carro para onde eu quiser ir! Pois nada mais natural e leve que isso, Deus nos criou para termos conforto, colinho Dele e alegrias e é por este caminho que eu vou! E sem o freio de mão puxado!

Metáfora perfeita… Sem palavras Clarissa…
Para ilustrar:


Te admiro!


Keli,

Esta bem difícil, eu decidi enfrentar os sentimentos que não vão embora, comigo isso não sei se funciona pois eu fico muito envolvida com os pensamentos e sentimentos. 

No livro “o poder do agora”diz que os sentimentos são ilusão, para que eu vou dar importância a isso?

Quero usar a minha habilidade mental de ficar focada e sentir o sucesso e a alegria e a ausência de solidão, até por que na presença de Deus não há ausência, certo?

Mas, se passar a vida focada em algo que não existe, e não ver a realidade também não vou viver o presente e ai estaria desperdiçando minha vida.

A verdade, é que faz um ano que estou mentalizando e acreditando e me transformando e não atingi os objetivos que me propus...está certo... eu fui muito além, descobri dons em mim e aprendi a confiar neles  como nunca e isso talvez seja muito maior do que me propus a alcançar, mas deixaria tudo de lado, para olhar para o lado e ter alguém que sem abrir a boca dissesse:- eu quero estar aqui, aqui é meu lugar eu escolhi dividir meus momentos com você.

Por que isso é tão difícil? Será possível? Será que sou tão ruim assim que ninguém pode me amar? Será que não sou capaz? Será que isso não é pra mim e insisto só por que não tenho?

Eu aprendi a desapegar..alias...faz 4 anos que estou desapegando e dizendo: - tudo bem Deus, eu entendi que esse relacionamento não é pra mim... minha vida continua a mesma. E eu aceito.

Tudo bem....já entendi a lição. E tenho consciência de que sempre estarei aprendendo e lapidando coisas dentro de mim, nunca me sentirei pronta, isso impede que alguém divida seus momentos comigo?

Deus não é surdo, ele já ouviu o que quero, Ele não é autista, não é menor que eu para eu ter que explicar e desenhar para que Ele entenda.....por que não acontece?

Qual o caminho da encruzilhada que pego agora? O do presente? O do aperfeiçoamento? O dos dons? O do compartilhar? Ou....será mesmo que tenho que escolher um destes?


 Clarissa,

O momento presente é o único que temos. Podemos viajar com nossas mentes para o passado e para o futuro e quando fazemos isto estamos produzindo pensamentos inúteis. Podemos gerar pensamentos de medo, raiva, indignação que são os pensamentos negativos. A verdade é que para estar inteira no momento presente é preciso esvaziar a mente, eliminar os ruídos mentais inúteis e negativos, nos livrar de expectativas, respirar e preencher a mente com paz, confiar nos caminhos saudáveis da vida, confiar verdadeiramente em Deus. As coisas são como elas são e acontecem como tem que acontecer. 

O arco-iris aparece no céu entre o fim da chuva e o brilhar do sol.  Tudo tem seu tempo e se o desejo é a semente, ela vai germinar no tempo exato para florescer.

Qual o caminho você deve seguir? O seu caminho com coração. O que está seguindo agora. Confie. No momento presente você está se aperfeiçoando, está conhecendo e exercitando seus dons e aprendendo a compartilhar cada dia mais.

Te admiro.

Abraços
Keli

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

AMIZADE!


Quando estava jantando fora com minha amiga, falávamos do blog (click luz), ela então me sugeriu que falasse de amizade, que para ela é o tema mais bonito que existe e lembrou que o mais triste para ela, seria saudade. Sinceramente, não me sinto apta a falar de amizade e seus aspectos, mas vou falar como me sinto em relação a amizade e como elas acontecem e aconteceram na minha vida. Vou falar das amizades femininas que fiz, pois meu mundo é muito feminino e pra mim se torna mais fácil, mas não esqueço dos amigos irmãos que fiz nessa trajetória da vida, que me enriqueceram da mesma forma. E se alguém disser que amizade entre homem e mulher não existe...Eu vou retrucar! Pois elas existem sim!
Nada é mais lindo, precioso, caloroso e colorido como uma amizade.
Ainda não descobri se é um tesouro que brota do coração da gente, ou se é um presente de Deus, mas não sei se isso realmente importa, pois o sentimento que me traz é que sou verdadeiramente abençoada e afortunada pelas amizades na minha vida, com certeza as palavras serão pequenas perto do que elas significam para mim.
Aprendo tanto com as amizades, que não tenho como calcular o quanto engrandece minha alma, presente incalculável.
Tem aquelas amigas de uma vida inteirinha, o que mais me deixa impressionada neste tipo de amizade é que essas amigas sabem TUDO da gente, o bom e o ruim e continuam acreditando que as poucas coisas boas que temos no nosso coração ainda compensam sermos amigas e mantem a amizade apesar de tudo! OBRIGADA a essas amigas irmãs. Tem aquelas que não vemos e que se transformam completamente, escolhem caminhos deferentes e distantes e quando as reencontramos é como se não tivéssemos nos afastado um segundo. Acho que em algum plano astral, espiritual ou energético nossas almas continuam a conversar, de alguma forma, como se fosse um pacto espiritual e quando estamos juntas, parece que reintegramos uma parte do nosso ser, que estávamos com saudades de vivenciar.
Tem aquelas amigas que não levávamos muita fé, eram “mornas”, essas na verdade só precisavam de mais tempo para desabrochar, não buscávamos tanta convivência, mas de uma forma ou de outra estavam  sempre ali! Então, nos damos conta que, durante uma vida inteira, silenciosamente nos amaram, apoiaram, acreditaram, torceram por nós e em algum momento a vida nos abençoou com maior proximidade, aí vivemos momentos mágicos, sem palavras, na linguagem que só as  amigas conhecem: Obrigada Deus, como sou abençoada por essa amiga e faça que a nossa amizade cresça mais e mais. Então o elo está formado para sempre. Há algumas com as quais há um pouco de dificuldade para estabelecer uma comunicação adequada, mas com certeza combinamos com Deus que elas estivessem na nossa vida para que soubéssemos valorizar as belezas sutis, a delicadeza e a doçura da  amizade.
Tem as amigas com opiniões distintas, bem diferente de nós, mas que temos muito apreço, e por serem diferentes de nós nos atraem para que possamos aprender com elas outros pontos de vista, as amamos porque nos ajudam a  exercitar mais nossa compreensão e acabamos investindo muito nessa amizade, mas algo em algum momento afasta, gera inveja, rancor ou mágoa, queremos reverter a situação mas não temos mais espaço para isso. E nos perguntamos:  O que faltou nessa amizade? Acho que a conversa das almas, a cumplicidade, acreditar na relação, viver ela de forma pura. O que fazer? Nessas ocasiões acho que é melhor deixar acontecer, e não se insistir na amizade, pois amizade não se obriga, não se força. É mais gostoso quando simplesmente acontece, então deixar ir é a melhor maneira de lidar com isso, apesar de sempre lembrar dos bons momentos que passamos juntas e de tudo que foi construído neste tempo. Gostaria que elas soubessem que  eu deixo sempre uma janelinha aberta, para que quando esteja pronta para uma conversa de almas ela volte, e se não estiver, posso amar de longe.
Um pastor, um dia me falou, que nem sempre o verdadeiro amigo é aquele que está do teu lado na dificuldade, mas aquele que vibra com seu sucesso, que está contente ao seu lado quando você está feliz,  acredito nisso, mas não há receitas para reconhecer uma amiga, o coração sente e pronto, sabemos que é importante e pronto! Todos erramos e amadurecemos, por isso, não há como avaliar ou classificar amigas, apenas vivê-las.
Tem aquelas amigas que são irmãs de sangue,  saber ser amiga da irmã é enriquecedor, aprendemos com elas. E elas têm o poder de dizer o que precisa ser dito, o que você precisa, não  o que gostaria de ouvir, coisas que ninguém tem coragem de dizer, essas coisas só elas podem falar, pode doer um pouco, ficamos com raiva, mas depois agradecemos e  abençoamos a dica. Não sei, se elas tem a coragem de nos dizer essas coisas por que sabem que nunca em nenhuma hipótese vão nos perder, ou se querem nosso bem acima da nossa amizade, ou pelo simples fato que Deus as criou para assumir este papel em nossas vidas. Que lindo isso!
  Eu sou feliz por minhas amizades, até por aquelas que já passaram. Aquelas que estão longe sabem que Deus freqüentemente recebe uma oração minha dizendo: -“Deus, permita que eu as encontre ainda uma vez mais nesta vida.”
Ah! Não posso deixar de falar das amigas terapeutas, que tentam sempre extrair o melhor de nós, nos encorajam, se solidarizam, fazem com que voltemos a sonhar e ao mesmo tempo tiram nossas ilusões do caminho, para possamos viver cada momento com qualidade, elas são as lavadoras de alma que nos elevam e acolhem e fazem lembrar e valorizar o que essa trajetória nos deu de bom, transformar o ruim em lições, em outras palavras, transformam nossa vida em um incrível romance! Somos eternamente gratas, e acho que a conversa de almas com elas foram marcadas quando nós nascemos, acho que antes de vir a terra dissemos a Deus: -“Senhor garanta que ela estará lá naquele momento crucial em que precisarei de um anjo em forma de gente!”hehheh! Obrigada!
Tem outras amizades, mas que vou falar mais adiante....


Clarissa,
Sou feliz por ser uma destas amigas.
Deixo aqui Milton Nascimento para fechar este post com chave de ouro!


Abraços
Keli

domingo, 27 de janeiro de 2013


Keli,

Você usou o termo certo para descrever o Watsu, você disse: -“o watsu é uma metáfora da vida”.


Nada me colocou tanto no momento presente.

O deixar a energia fluir, como se flui na água.

Trocar amor em forma de um toque puro e sutil feito de coração para coração, como devem ser construidas TODAS as relações da vida. Lembrando que toques podem ser toques no corpo e toques na alma.

Aceitar a vida como um abraço e sentir-se abraçada por ela.
Sentir a vibração do abraço em tudo na vida.

Confiar que os nossos corpos flutuam na água, que a água nos sustenta, assim como Deus nos sustenta, confiar que a água tem um papel nesse momento, movimento e vibração, compreender o ritmo da água acompanhá-la, sentir a vida da água.

Não esperar nenhuma reação de quem recebe ou aplica a técnica, simplesmente aceitar, evitar o julgamento.

Permitir o movimento do corpo e ter um momento com Deus, sem estress, preocupação, expectativas, ilusões, padrões, sem a presença do tempo ou da forma física...simplesmente ser, elevar-se.

Só pode que essa técnica é um presente  do próprio criador para nós, por que se não fosse assim, como produziria este efeito em nós? E só podia ter ganhado forma nas mãos de uma pessoa tão especial como Harold Dull. Assim como, não existem dois Mozarts, dois Van Goghs, não haverá outro mestre do movimento como Harold, que Deus continue o abençoando....

Eu como uma pessoa muito afortunada, conheci pessoalmente o Harold e pude experimentar o watsu das mãos dele, mas em um momento de descontração, perguntei ao Harold:-“ o que você gostaria que aprendêssemos, o que você gostaria de deixar para nós?”ele respondeu: -“o sentir deste abraço, deste aconchego”

Eu disse:-“você gostaria que as pessoas se abraçassem mais?”

Harold disse: -“não, não abraço como uma obrigação, mas simplesmente estar aberto para o abraço”.

Senti que ele sonha em movimentar nas pessoas o sentimento, a vibração do abraço para que isso flua levemente, sutilmente, amigavelmente entre as pessoas.

Queria dizer para o Harold, que ele conseguiu movimentar essa energia em mim pois, saindo do curso e indo ao aeroporto senti como se ninguém me fosse estranho, que todos poderiam se aproximar sem nenhum sentimento de aversão, medo, constrangimento isso foi muito gostoso, sentir como se todos fossemos Um, o que realmente somos!
Na verdade escrevi isso,  pois tenho uma profunda necessidade de compartilhar o que vivi, mas as palavras são pequenas perto do universo de amor que deslumbro a minha frente que se concretizou no meu coração através do watsu.

Claro, que não teria a sensibilidade de perceber isso, se não tivesse feito um trabalho muito profundo, e se não tivesse galgado importantes degraus na minha tragetória, por isso, mais uma vez e SEMPRE obrigada amiga amada Keli!

Clarissa,

Minha alma sorri para a sua! 

Abraços

Keli

Como não parar de fluir?



 Como não parar de fluir?

...Hoje recebi certas notícias que fizeram me deslumbrar alguns fatos de um futuro próximo não muito agradável...coisas do dia-a-dia, de pessoas que estão aptas a derrubar em poucos segundos o que você leva uma vida para construir...enfim.... não vem ao caso. Tive um breve segundo de melancolia, um pouco de raiva e indignação, mas depois lembrei que isso poderia ser resistência ao momento presente, fruto de um impulso do ego de querer controlar tudo, então simplesmente pensei:-“o ego não vai tomar conta dessa situação, não posso permitir isso”, “Deus cuidou de mim até então, não irá falhar agora, por que devo me preocupar?”, outro pensamento que tive foi: -“quero continuar fluindo”, não vou trocar a sensação de fluir pela sensação de indignação que o ego quer me proporcionar, lembrava do watsu e continuava fluindo.
Fiquei feliz comigo mesma de utilizar essa estratégia, deu certo! Fica a dica...

Fluir, flutuar livremente...


Fluir, flutuar livremente...

Minha missão desta semana está sendo essa desafiadora tarefa de flutuar livre, deixando fluir e ao mesmo tempo estar 100% presente. Parece a prova real do que estamos trabalhando até então, não é mesmo, Keli?

Flutuar fluir para mim é fácil, mas A PRESENÇA é mais desafiadora.

Mas como hoje tive a oportunidade de estar nos braços de criador do método watsu no mundo (Harold Dull), consegui ficar 100% presente e a conclusão desse episódio para mim, é que Deus é O momento, é  o instante é o segundo, ELE É!

Eu senti no momento presente satisfação, plenitude, amor. Para que todos entendam o  método é só clicar no vídeo abaixo:


Bom...continuando...uma técnica com tamanha sutileza e serenidade só pode vir de uma pessoa serena, o Harold o é! Ver ele praticar watsu é como se ele conversasse com a vibração do corpo da pessoa, com uma linguagem que sai do corpo dela, ele se delicia e as coisas acontecem na água, e ele ensina que devemos respeitar o limite do corpo da pessoa no movimento e respeitar nossos próprios limites, também ensina que ao encostar a cabeça na cabeça da pessoa devemos ver as coisas que passam dentro dela, ele diz: - vejam através da cabeça desta pessoa, o que tem ai? Há muito para ver, não tenham pressa....

QUE LINDO e LOUCO!

Eu nunca pensei que se pudesse ver de olhos fechados...e quando ele diz para confiar na água deixar que ela trabalhe com a pessoa, que ela faça e para sermos apenas intermediários.... outra coisa que me tocou também foi que algumas vezes ele pede apenas para balançar na água e sentir o ritmo da água...meu Deus!

 Agora eu vejo o quanto o mundo perdeu deixando o carinho, a ternura e o toque de lado, maliciando tudo...que pena!!! Como isso me entristece, eu quero ser muito mais carinhosa...

Ontem vivi algo que poucas pessoas terão a oportunidade de viver na vida. Depois do longo dia de treinamento e vivencias de watsu, os abraços e carinhos saudáveis surgem, então meu colega começou a aplicar em mim manobras do watsu e outro colega também, eu agradecia a Deus pela sensação de mãos curativas estarem trabalhando o meu corpo, me elevando a outro nível e provocando meu corpo sensações inigualáveis e com meu coração agradecia e perguntava a Deus qual a mensagem daquele momento em que me sentia num bercinho de bebe, sem nome, sem idade, sem expectativas? Então, qual a mensagem? Deus, fez com que eu sentisse no meu coração:- seja abençoada! E eu aceitei

E keli, em outro momento eu tive uma impressão de uma casquinha de ovo que se integrava de volta e se fundia como se fosse intacta esse foi o momento da reintegração total.

Bjs,

Clarissa



Clarissa,

Chega um momento na nossa vida que descobrimos que somos mestres de nós mesmos e entendemos o que realmente Deus queria que fizéssemos. Voce está neste momento da sua vida!

Abraços e muitos sorrisos!

Keli

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

INTEGRANDO AS PARTES


Keli,

Oi, a meditação do vaso quebrado, mexeu mais profundamente comigo, do que eu imaginava, você falava das partes que se juntavam e do vaso novo e tudo mais...com essas metáforas presentes no meu inconsciente e com o ho-oponopono, consegui conectar vários episódios na minha vida, isso aconteceu como se fosse uma reintegração de experiências no meu coração, alma e uma clareza, lucidez e  serenidade tomaram conta de mim.

Uma das minhas reintegrações foi o entendimento do momento em que parei de agradecer de coração a Deus pelas coisas. Eu tinha o hábito de toda vez em que tomava banho, eu agradecia à Deus a parte do meu corpo que estava ensaboando e era muito bom, um dia me concentrei muito no meu tornozelo, eu cheguei a dizer:-“ Ninguém da bola para o tornozelo, mas ele é tão importante, obrigada Deus pelos meus tornozelos” neste momento senti um imensa gratidão. E no outro dia, o que aconteceu? Quebrei o meu tornozelo brincando na grama com uns amigos em um dia de chuva. Mas, o tornozelo “esmigalhou” quebrou em vários pedacinhos, resultou em 3 procedimentos em bloco cirúrgico e mais uma cirurgia está por vir. Muito incomodo, noventa dias sem colocar o pé no chão, usando muletas e quase perdi o semestre de faculdade....chorei muito, meu coração ficou em migalhas como o meu tornozelo e numa decisão de fraqueza e  resolvi parar de louvar a Deus  e fiquei com medo de agradecer o que valorizava.
Disse ao médico depois de tirar o gesso: -“Dr., meu pé ficou certa limitação no movimento”. E ele respondeu: -“ Dê graças à Deus que você conseguiu ter novamente todos os movimentos do seu pé, nós conseguimos religar todos os ligamentos e pedacinhosde ossos quebrados.”

Isso ficou guardado no meu coração por anos e até conseguia louvar a Deus, mas com certas reservas, então depois das meditações e leituras, consegui elaborar uma coisa: se não tivesse agradecido à Deus, no dia anterior eu teria perdido meu tornozelo e pé.

Acho que não preciso dizer mais nada. Mas, me lembro também que uma amiga-irmã minha me ligou e disse: “tenho certeza que aconteceu isso, para não acontecer coisa pior”.
Eu aceitei tudo isso, muitos oraram por mim, isso também ajudou, mas, por que não entendi completamente todos esses recados e sinais naquele momento? Por que somente anos depois fui integrar todas essas partes?

Clarissa querida,

Voce só foi entender muito tempo depois porque tudo vem a seu tempo, compreendemos quando estamos maduros para compreender. Tudo acontece como tem que acontecer. A  semente brotou quando tinha que brotar e florescer e abrir em botão e depois em rosa.

Isto me fez lembrar as palavras de Milton Erickson:

"Às vezes cometemos erros certos,
por motivos errados.
E às vezes cometemos erros errados,
por motivos certos.

E alguns desses erros, que agora são certos, 
podem ser errados, depois de algum tempo.
E alguns erros errados agora,
podem parecer certos mais tarde.

E algumas das compreensões de agora, 
que não podem ser compreedidas mais a frente,
só poderão ser compreendidas
muito tempo depois.
... somente esperando."

Abraços no coração.

Keli
P.S: Segue a meditaçao: 



sábado, 5 de janeiro de 2013

O BISTURI DA COMPAIXAO


Keli,

Estou praticando MUITO e diariamente o bisturi da compaixão, percebo como, o perdão a compaixão é mais fácil de ser praticada com os outros, do que conosco, entender os deslizes dos outros é de certa forma fácil, mas aceitar que eu deslizo! Meu Deus, o ego reclama MUITO.

Mas, pude perceber também que tenho que aplicar o bisturi muito mais vezes por dia comigo mesma do que com outros! Incrível! Pois meu ego vivia me dizendo que a culpa era dos outros, que os outros me irritavam....sabe? Agora vejo que não é bem assim, tenho que ter muita paciência comigo mesma!

O ego, egoísmo, nos leva a uma cegueira total e para tirar essa cegueira não é fácil! Preciso de muito bisturi! Diariamente!

Vi que não adianta aceitar um conceito como verdade, é preciso praticá-lo, não é? Por exemplo, aceitar a compaixão é fácil, praticá-la é difícil e desprende muita energia.

Mesmo se eu saísse fazendo caridade por aí e não tivesse o entendimento do que é realmente compaixão, não seria completo....adiantaria....seria bom também, mas não seria pleno, né?

Outra coisa que pensei em relação a isso, é que sinto uma certa frustração de não ter internalizado tão plenamente esse conceito antes, minha vida seria diferente, talvez tivesse usufruído mais e tido menos problemas e mais alegrias, menos brigas. Por que não fiquei pronta antes? Mas, ao mesmo tempo tenho o pensamento que vem em forma de resposta, que é assim: - não temos como internalizar tudo ao mesmo tempo e nem estar pronta! Nunca estaremos! As coisas são reveladas aos poucos, sei que mesmo querendo e conhecendo o conceito da compaixão não estava pronta para conhecê-lo na integra. Por que não sei e também não sei o que destravou a porta que abria para a sala da compaixão. Também, não podemos saber tudo, só sei que se estou aprendendo estou no caminho certo, o que mais quero é que Deus me ensine!

Bjs

Clarissa



Clarissa querida,

Somos seres de hábitos e para instalar um habito é preciso repetir o novo comportamento todos os dias até que ele passe ao piloto automático. Como disse Aristóteles, ¨a repetição é a mãe da sabedoria¨. O processo de mudança parece seguir alguns passos:

INCONSCIENTE – SEM HABILIDADES
CONSCIENTE - SEM HABILIDADES
CONSCIENTE – HABILIDOSO
INCONSCIENTE – HABILIDOSO

Vou explicar cada um deles para ficar mais claro onde quero chegar com esta ideia:

INCONSCIENTE – SEM HABILIDADES

Esta é a fase em que não temos consciência da necessidade de mudança e portanto não desenvolvemos as habilidades para tal. Por exemplo, penso que as pessoas são culpadas por determinadas coisas, me irrito, me sinto magoada, triste, não enxergo que o poder de mudança está em minhas mãos e portanto não sou capaz de fazer o que precisa ser feito para resolver as questões.

CONSCIENTE - SEM HABILIDADES

Esta é a fase em que percebo que algo não vai bem, não está funcionando e começo a me tornar consciente que preciso mudar, que o poder está em minhas mãos, que a responsabilidade é minha e isto pode causar ansiedade, angustia porque ao mesmo tempo que sei que sou responsável, não tenho desenvolvidas as habilidades para mudar o que preciso mudar. A boa noticia é que ¨temos dentro de nós tudo que precisamos para resolver os problemas¨ e quando nos tornamos conscientes, podemos ter acesso a estes recursos. Seguindo o exemplo, nesta fase nos damos conta de que todos estamos em processo de evolução e aprendemos de maneira e em ritmos diferentes, que não podemos mudar os outros e sim a maneira como os vemos, como interagimos com eles. 
Se entendemos compaixão como a capacidade de aceitar o processo exatamente como ele ocorre e quando ocorre, o seu e o dos outros, compaixão significa olhar e sentir o que acontece com amor, sem querer controlar as coisas, sabendo que tudo tem seu tempo. Uma flor não nasce mais rápido ou mais devagar porque pensamos que deveria florescer mais lentamente ou mais rapidamente.  A natureza da qual somos parte nos ensina a compaixão de uma maneira simples e real. É deixar fluir e seguir o impulso desta energia, sem julgar, sem comparar, sem condenar. Simplesmente aproveitando cada momento para aprender, para transformarmo-nos  em pessoas melhores. E com estes conhecimentos vamos desenvolvendo as habilidades necessárias, aprendendo a fazer diferente e passamos para a fase seguinte.

CONSCIENTE – HABILIDOSO

Esta é a fase do treinamento, da repetição da nova forma de ver, de sentir, de agir.  Esta etapa não é fácil porque percebemos as coisas com mais clareza, nos deparamos com as dificuldades de agir de maneira diferente. É hora de ¨orar e vigiar¨ como nos ensinou Jesus. Precisamos de disciplina para continuar usando o bisturi da compaixão. A primeira compaixão, e a que garante ter compaixão pelo outro, é a por si mesma. Vigiar todo o tempo para não voltar ao padrão antigo  requer muita energia, mas só no começo porque depois de treinar e treinar e treinar atentamente passamos para a fase em que não precisamos mais pensar para atuar de acordo com o novo habito porque passa para o piloto automático.

INCONSCIENTE – HABILIDOSO

Nesta fase agimos respeitando o processo exatamente como ocorre, no tempo em que ocorre e de uma maneira natural porque já faz parte de nosso modelo mental, de nosso sistema de crenças e nos guiamos assim, sem esforço e habilidosamente.

Se tudo acontece a seu tempo e da maneira que precisa acontecer, estar pronta antes só seria possível se fosse o momento de estar pronta.  É como a historia que te contei dos meus girassóis no jardim. Eu sempre plantava sementes de girassol e depois de um tempo, como viajava muito a trabalho, parei de plantar as sementes. Um ano depois que tinha parado de plantar, um dia quando abro o portão vejo um lindo girassol florescendo... Pensei que havia sido minha secretária, mas não tinha sido ela... a semente ficou ali adormecida um ano e só floresceu no seu tempo, provocando um sorriso em mim. Tudo acontece no tempo que tem que acontecer e nossa alma pode educar nosso ego, a medida que vamos eliminando o medo e deixando o amor entrar e nos curar. E para finalizar com chave de ouro um pouco mais de Jesus: ¨Ama ao próximo como a ti mesmo!¨

Abraços no coração querida.

Keli
Ocorreu um erro neste gadget